Todos os dias, logo cedo dou uma piscadinha para Deus e peço: Tomara que as nossas vontades coincidam. E se não coincidirem, que a Sua prevaleça. /CaioF.

Todos os dias, logo cedo dou uma piscadinha para Deus e peço: Tomara que as nossas vontades coincidam. E se não coincidirem, que a Sua prevaleça. /CaioF.

  1. blogelainesouza reblogged this from caiofrases
  2. anapaulaffonda reblogged this from caiofrases
  3. pensadora-perturbada reblogged this from caiofrases
  4. un-b-ro-k-en reblogged this from caiofrases and added:
    Todos os dias, logo cedo dou uma piscadinha para Deus e peço: Tomara que as nossas vontades coincidam. E se não...
  5. meu-ponto-fraco-smp-vai-ser-vc reblogged this from caiofrases
  6. stephaniesci reblogged this from caiofrases
  7. sillunna reblogged this from caiofrases
  8. thayvitali reblogged this from caiofrases
  9. semcliche22 reblogged this from caiofrases
  10. grazymoreira reblogged this from caiofrases
  11. troublemaker-g-irl reblogged this from caiofrases
  12. sharedsecrett reblogged this from caiofrases
  13. princess-of-noise reblogged this from caiofrases
  14. fcintia reblogged this from caiofrases
  15. jessicalimab reblogged this from caiofrases
  16. sentimentosmistos reblogged this from caiofrases
  17. carollfs reblogged this from caiofrases
  18. morrodeamorporti reblogged this from caiofrases
  19. my-paranoias reblogged this from girl-comum and added:
    Todos os dias, logo cedo dou uma piscadinha para Deus e peço: Tomara que as nossas vontades coincidam. E se não...
  20. natygui1 reblogged this from caiofrases
  21. renatinharaujos2 reblogged this from caiofrases
  22. desista-de-desistiir reblogged this from caiofrases
  23. brendakatllen reblogged this from caiofrases
  24. daysesantana reblogged this from srtabloodymary


Postado em 17/1/2012 às 0:25

Caio Fernando Loureiro de Abreu nasceu em Santiago em 12 de setembro de 1948 e morreu em Porto Alegre em 25 de fevereiro de 1996 devido a Aids. Foi um jornalista, dramaturgo e escritor brasileiro. Apontado como um dos expoentes de sua geração, a obra de Caio Fernando Abreu, escrita num estilo econômico e bem pessoal, fala de sexo, de medo, de morte e, principalmente, de angustiante solidão.

home
about me
ask
here